As Viagens de Marco Polo – Biografia


marco-polo

Realmente era difícil acreditar que houvesse no Oriente uma raça de homens com várias cabeças ou com cabeça de lobo. Mas muitos dos exageros de Marco Polo eram simplesmente verdades que os europeus do seu tempo desconheciam.

OS “MILHÕES” DE MARCO POLO

Quando falava numa “fonte donde nasce o óleo”, estava descrevendo, sem saber, o petróleo existente na região do mar Cáspio. Ao relatar a existência do legendário unicórnio, animal com um único chifre, o viajante referiase obviamente ao rinoceronte. E muitas outras de suas “absurdas” afirmações acabariam por ser comprovadas.



Memórias escritas no cárcere

Marco Polo nasceu em Veneza em 1254. Tinha 17 anos quando partiu para o Oriente e só retornou 24 anos mais tarde.

Mas ao voltar a Veneza, em 1295, a Sereníssima República estava às portas de uma guerra com Gênova, sua grande concorrente comercial, e ele foi chamado a defender sua cidade.

Sem dúvida, as qualidades de aventureiro qualificavam o viajante para uma posição destacada nas forças venezianas; e assim, em 1296, ele equipou uma galera e partiu para a guerra. Na batalha naval de Curzuola, porém, a frota veneziana foi derrotada e Marco Polo, aprisionado.



Casualmente, seu companheiro de cela era Rustichello (ou Rusticiano), um escritor de Pisa, que gozava de certa notoriedade. E foi a pedido do próprio Marco Polo que Rustichello começou a anotar as suas narrativas de viagem. E provável, no entanto, que, ao organizar a narrativa, o escritor tenha romanceado.

Mas, qualquer que seja a versão, o fato é que o livro se tomou uma espécie de Best-seller. Reunindo geografia, história, economia e política, agricultura, lendas e fábulas, constituía uma espécie de guia de viagem que proporcionava aos seus leitores a oportunidade de conhecer o Oriente sem sair de casa. Exagerava um pouco, sem dúvida, mas também informava bastante.

Contatos esporádicos

Antes de Marco Polo, a Europa sabia muito pouco sobre o Oriente. Durante a Idade Média ocorreram alguns contatos entre a Europa e o longínquo Oriente, mas esses eram indiretos e sobretudo de natureza comercial.

Da China e da índia chegavam, por via marítima, mercadorias transportadas por penas, sírios e árabes para os portos mediterrâneos. Ali os produtos eram adquiridos por venezianos, genoveses, marselheses e comerciantes de Barcelona – para serem depois redistribuídos por toda a Europa.

O mesmo ocorria em relação aos longos caminhos das caravanas que, por terra, atravessavam as estepes asiáticas até o mar Negro ou Constantinopla (antiga Bizâncio). Junto com os produtos, chegavam à Europa informações e relatos cada vez mais fantasiosos.

Para os ocidentais, o Oriente era uma realidade só do ponto de vista de negócios. De resto, era pura fábula, quase um conto de fadas Nos primeiros decênios do século XIII, porém, o quadro começou a se alterar.

De um lado, o impulso econômico observado na Europa induzia os comerciantes a serem mais audazes e chegarem ao mercado produtor dos artigos: de outro, a expansão mongol favorecia  os contatos entre europeus e orientais.

Com um salvo-conduto assinado pelo Grande Khan (supremo mandatário mongol), qualquer missionário, comerciante ou aventureiro podia se deslocar pelo seu território, ou seja, um imenso império que abrangia a maior parte da Ásia.



A PRODIGIOSA AVENTURA DE MARCO POLO NO ORIENTE

Segundo O Livro das Maravilhas, Niccolô desculpou-se de não haver levado consigo os cem missionários-cientistas, solicitados pelo soberano mongol, e apresentou seu próprio filho Marco Polo, dizendo: “Senhor, ele é vosso servo, é meu filho!”.

Ao que o Grande Khan respondeu: “Seja bem-vindo, isso me deixa muito enternecido— . E acolheu Marco no seu séquito pessoal. Foi o início de longa colaboração e amizade.

Um veneziano na China

De acordo com a narrativa de O Milhão, não foi difícil para o Khan avaliar a inteligência, a presteza e a habilidade daquele jovem que em poucos meses aprendeu quatro das línguas faladas naquela parte do mundo (as quais lhe foram muito úteis para conhecê-la bem).

Aos poucos, o Khan foi confiando-lhe tarefas sempre mais importantes: embaixador, governador de província e seu conselheiro pessoal.

Grande parte do tempo era consumida em conversas nas quais o imperador era informado sobre os usos e costumes do Ocidente; por sua vez, o veneziano recebia dele relatos sobre o Extremo Oriente.

Muitas dessas informações Marco Polo teve oportunidade de verificar pessoalmente, pois diversas vezes percorreu de alto a baixo aquele grande país. Mais tarde, o Khan convenceu-se de que só Marco Polo podia assumir a delicada missão de escoltar uma princesa chinesa destinada a desposar um príncipe persa.

Após uma viagem marítima repleta de aventuras, aportaram na Pérsia, mas ali receberam a notícia de que o Khan tinha morrido.

Livres do vínculo de obediência ao imperador, os Polo podiam voltar a Veneza. Em 1295, fizeram sua entrada triunfal. Marco Polo foi recebido com as honras dignas de um heroico soldado, um embaixador de Veneza e ao mesmo tempo um comerciante favorecido pela sorte-

O viajante havia levado consigo uma incrível quantidade de jóias, e a população de Veneza, ouvindo os seus relatos, pasmava; a Sereníssima República não podia conceber que pudesse existir no mundo um Estado mais poderoso e mais soberbo que ela.

E assim, em 1296, Veneza lhe deu a honra de chefiar soldados na guerra contra Gênova, da qual os venezianos saíram derrotados. Marco Polo foi mantido numa prisão genovesa até 1299. Liberto, retornou para Veneza, onde viveria ainda 25 anos, sem no entanto viajar novamente para o Oriente.

Mas os venezianos, em sinal de reconhecimento a Messer Polo, elegeram-no membro do Conselho da cidade. Em 1324, com mais de 70 anos, estava para morrer quando alguns amigos lhe pediram para indicar quais as “invenções” que deviam cancelar no seu livro.

Marco Polo, em seu leito de morte, ainda teve tempo de mandá-los ao diabo com todo o vigor, antes de fechar os olhos para sempre. Graças a ele, porém, os contatos entre os mongóis e o Ocidente tinham tomado grande impulso.

Gostou deste artigo sobre As Viagens de Marco Polo? Então compartilhe!

Imagem: seuhistory.com