Impressionismo: Artistas, Pintura, Contexto Histórico e Arte


impressionismo

No Brasil, a arte moderna, que rompeu com as tradições acadêmicas, teve como marco a Semana de Arte Moderna, realizada em São Paulo, no ano de 1922. Ali o Impressionismo seria apresentado ao Brasil.

Contexto Histórico

Nessa época, pintores, escritores e músicos foram vaiados pelo público, que não entendeu sua proposta inovadora e contrária às normas estabelecido.



Com o passar dos anos, porém, esses novos padrões artísticos acabaram aceitos, e a nossa arte ganhou outros rumos.

No mundo, a arte moderna começou, quase cinquenta anos antes, em 1874, na cidade de Paris, e causou tanto escândalo como na São Paulo de 1922. Na época da exposição de 1874.

Paris ditava as normas da arte e da cultura para o resto do mundo ocidental. A pintura deveria ser acadêmica, feita na maioria das vezes no interior de estúdios e tratando de temas já consagrados.



Um grupo de jovens artistas, porém, era contra essas normas. Eram eles Claude Monet, Camille Pissarro, Alfred Sisley. Pierre Augoste Renoir e Paul Cézanne, entre ouque as sombras não são pretas ou cinzas, mas têm tons de várias cores.

E foi por lerem seus quadros recusados em exposições oficiais que resolveram montar a exposição de 1874 no estúdio de um fotógrafo.

O quadro Impressão: o Nascer do Sol, que foi xingado de “impressionista”, era de Claude Monet, hoje considerado o maior artista desse movimento. Apesar do desprezo do público, o Impressionismo logo foi adotado por outros pintores. como Edouard Manet.

Impressionismo

o Impressionismo tinha rompido com a tradição acadêmica e inaugurara uma nova visão da obra de arte, baseada não nos temas representados, mas na maneira como são representados.

Partindo do Impressionismo, surgiriam o Pontilhismo (que utiliza pontos de cor em vez de pinceladas) e outros três grandes movimentos da arte moderna:

  • O Fauvismo (que vem do francês j”aiives = “feras”, e se inspira nas artes primitivas e nos desenhos infantis)
  • Expressionismo (que deforma as figuras para expressar o mundo interior do artista)
  • Cubismo (que leva mais adiante o caráter analítico do Impressionismo, decompondo as figuras não apenas em cores, mas também em ângulos).

Artistas e o Impressionismo

Impressionismo e seus artistas foram influenciados pela fotografia (da qual procuravam os ângulos estranhos), pelos progressos da física (que afirma que a cor é um reflexo da luz nos nossos olhos, e não tem um tom permanente, pois muda conforme o ângulo e a intensidade da luz) e pelas gravuras japonesas (centradas em temas efêmeros, como flores e ondas do mar), que começavam a ser descobertas na Europa.

Apoiados pelos físicos, os impressionistas afirmavam que a linha (contorno preto) não existe na natureza, sendo mera convenção de desenho: e que as sombras não são pretas ou cinzas, mas têm tons de várias cores.

Por isso os impressionistas pintavam ao ar livre, ‘a luz do sol, para captar a “impressão” das cores, e usavam pinceladas de cores puras, que se misturavam nos olhos do espectador.



Para obter a “impressão” do verde, por exemplo, eles colocavam, lado a lado, pequenas pinceladas de amarelo e de azul – e, dependendo da distância em que se observasse o quadro, essas cores se fundiam em diferentes tons de verde.

Gostou do nosso artigo sobre Impressionismo? Compartilhe!

Imagem- mundoestranho.abril.com.br