Escultura: O que é? Características e Tipos


escultura

a maioria das pessoas não conhecem os “segredos ” da escultura, tão poucos elementos para julgá-la e, assim, apreciar sua beleza. Vamos, então, tentar descobrir alguns dos “segredos” dessa arte quase tão antiga quanto a pintura.

Ora com finalidade religiosa e ritual (imagens de divindades, arte funerária), ora voltada apenas para fins estéticos, pela representação tios ideais ele beleza de sua época, a escultura aparece em todas as civilizações: na Grécia e na Roma antiga, na América pré-colombiana, no Oriente e, é claro, entre nós.



O que é?

Em primeiro lugar devemos considerar uma diferença fundamental entre pintura e escultura. A pintura trabalha com a simulação (o espacial, pois a superfície do quadro tem apenas duas dimensões, altura e largura: a ideia de terceira dimensão ta profundidade) é dada pela perspectiva.

Já a escultura, assim conto arquitetura, encontra-se no espaço ,real. ou seja, dispõe de três dimensões: altura, largura e profundidade (de lado, uma estátua pode ser observada de diversos ângulos: possui, enfim, ou volume).

Uma escultura não apresenta uma única superfície, como uma tela ou um desenho, mas sim um conjunto de superfícies, que podem ser planas, curvas, truncadas, onduladas, polidas, ásperas etc.



Essas superfícies, em conjunto. dão forma à massa (o material de que a obra é feita, a matéria-prima) e determinam o volume da escultura.

Características

As formas das superfícies fazem com que a luz possa incidir de várias maneiras: por exemplo, em uma superfície plana, a luz incide com intensidade uniforme; ao contrário, em uma superfície truncada, a luz cria um jogo de claros e escuros.

Essa diversidade de superfícies suscita no observador várias sensações: pode dar a impressão de uma solene imobilidade ou sugerir a ideia de movimento.

Já entendemos uma coisa importante: Para que se possa apreender uma escultura em sua totalidade, não é suficiente, como em geral se faz com um quadro, observá-la de um único ângulo; temos de fazê-lo de todos os ângulos possíveis.

Só assim conseguiremos descobrir seus “segredos”, as proporções, a vibração da luz no material, o sentido de energia, de solenidade ou de movimento que o escultor infundiu à sua criação artística.

escultura-grega

Tipos de Escultura

As esculturas que podem ser olhadas de todos os ângulos (estátuas, monumentos) são classificadas como pleno relevo.

Aquelas cujos elementos emergem só em parte de uma base formada por lâmina de mármore ou de outro material (pedra, madeira, mar fim etc.) constituem os relevos.



Se os elementos emergem muito da base, parecendo desprender-se dela, temos um alto-relevo; se são apenas esboçados sobre a base, temos um baixo-relevo.

Os baixos-relevos, usados já na Antiguidade, são elementos decorativos para templos, portais, pedestais de monumentos, edifícios públicos etc.

Existem também o meio-relevo e o schiacciato (es- magado), um relevo baixíssimo, semelhante ao desenho, desenvolvido pelo italiano Donatello (1386-1466).

A obra modelada é obtida acrescentando-se material (argila, cera etc.); na obra esculpida, são retiradas ou desbastadas partes de um bloco de mármore, madeira ou metal.

Neste caso, o artista primeiro modela a obra e faz um molde, em que é fundido o bloco de metal que depois será trabalhado, esculpido até a forma final.

Nos últimos anos, as inovações técnicas foram radicais, sobretudo com a aplicação de sistemas ou mecanismos eletromagnéticos, destinados a produzir simultaneamente movimento, som e luz, que se tomaram parte integrante da escultura.

Materiais usados ao decorrer da história

Nem todos sabem que o mármore branco das antigas esculturas gregas, que hoje se encontram nos museus, era colorido. Muitas esculturas em madeira da Idade Média conservaram razoavelmente bem o colorido e a douradura.

As figuras esculpidas em madeira na Espanha do século XVII foram pintadas com tanto esmero que podem competir, quanto à coloração dos rostos e dos trajes, com as cores da realidade. O mármore em sua cor natural passou a ser usado há pouco tempo: no final do século XVIII.

Gostou do nosso artigo sobre Escultura? Compartilhe!

Imagem- vmarte.ru     phantasiarpg.com.br